A história do Ford Mustang

Na década de 60, os carros do mercado americano tinham dimensões muito exageradas, e os consumidores começaram a pedir por veículos mais compactos, porém, sem perder o desempenho. Vendo o desejo das pessoas a Ford resolveu produzir um carro que atendesse essas exigências. Nascia assim o “pony car”, como ficaram conhecidos esses carros menores com motores potentes.

Esse carro era o Ford Mustang, com dimensões mais contidas, linhas esportivas, mas ainda com um desempenho poderoso, proporcionado pelos seus motores de seis cilindros. O carro foi um sucesso imediato e nos dois primeiros anos já havia atingido a marca de 1 milhão de unidades vendidas.

O surgimento do Mustang

Como dito anteriormente, o primeiro Mustang teve um resultado excelente. Foi  apresentado ao público em 17 de abril de 1964, na Feira Mundial em Flushing Meadows, New York, causando furor e sendo sucesso no mercado.

Com estilo singular e diferenciando dos modelos da época, foi apresentado em dois modelos: cupê e conversível, ambos de quatro lugares com capô grande, traseira curta, teto baixo e na grade frontal se estampava o cavalo ao centro.

Desde seu surgimento, o esportivo da Ford é icônico pelo fato de apresentar uma série de novidades que estavam à frente do seu tempo, atendendo desde jovens interessados em um carro acessível até ao eufórico por alto desempenho.

Não podemos deixar de falar do exemplar que marcou a parceria da Ford com o ex-piloto Carroll Shelby, levando seu nome, o Mustang Shelby GT350. Foram feitas várias mudanças, como carroceria e motor mais potente. Foi considerado um carro de corrida disfarçado para as rua.

A segunda geração

Por conta da crise do petróleo lá em 1973,  Le Lacocca como presidente da Ford Motor Company em 1970, pediu aos engenheiros que desenvolvessem um Mustang menor e mais econômico. O carro pequeno e com motores econômicos desagradou à grande maioria dos consumidores, que se negava a comprar o veículo.

Terceira geração

Resgatando o prestígio que foi perdido na geração anterior. Em 1979 a terceira geração do cavalo selvagem foi focada no conforto, construído sobre uma nova plataforma com dimensões um pouco maiores, trazendo mais espaço interno.

Essa foi a geração que mais perdurou e foi comercializada até 1993, apesar de alguns consumidores terem um certo preconceito em aceitá-lo como um Mustang, pois tinha perdido a imponência e esportividade.

A esportividade volta em 1994 com a quarta geração

A Ford deu ao Mustang a reformulação que precisava. A geração trouxe um desenho moderno e linhas arredondadas, resgatando o espírito esportivo do modelo.

As opções de motores eram baseadas em um V6 de 3,8 litros e 145 cavalos e no tradicional V8 302 de 4,95 litros, que rendia 215 cavalos na versão GT, não havendo mais o quatro-cilindros.

Nessa geração o Ford Mustang voltou a ser reconhecido como um Muscle Car, resgatando um pouco da esportividade da primeira geração.

 

Quinta geração

Inspirada nos modelos do anos 60, foi apresentada no Salão de Detroit em 2004 e durou até 2010 com o mesmo design.

Passou a oferecer motores V6 de 210 cavalos e V8 de 300 cavalos.  A linha 2011 anunciada precocemente em 2009 trouxe novos motores ao Mustang. A versão V6 vinha com 3,7 litros e 24 válvulas, com bloco e cabeçotes de alumínio, 305 cavalos e 38,7 kgfm de torque.

Sexta geração

Chegamos na geração atual, que traz aspectos que remetem ao modelo original de 1964, mas com uma construção mais sofisticada. Essa sexta geração foi revelada em 2014 no salão de Detroit, e comercializada no mesmo ano.

Outro modelo foi lançado em 2018, ainda nesta sexta geração, mais sofisticado, com uma aerodinâmica ainda mais apurada e todos os aparatos modernos, como central multimídia, painel eletrônico configurável, além de um moderno câmbio automático de 10 marchas que permite ao V8 aproveitar todo o seu torque.

Por fim chegamos ao Mustang que está sendo comercializado entre os carros da Ford no Brasil, o Mach 1. Nascido para pistas, carrega consigo o legado histórico de performance e esportividade junto a exclusividade de uma edição limitada.

Falando de performance, o Ford Mustang Mach 1 utiliza diversos componentes dos modelos Shelby GT350 e GT500. O motor 5.0 V8 com novo Sistema de admissão e 483 cavalos, a transmissão automática de 10 velocidades com nova calibração e o sistema de arrefecimento ainda mais eficiente ajudam a extrair o máximo de performance do veículo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.